ISO 31000: A Nova Era da Gestão de Riscos!

13 de janeiro de 2012

Divulgado o relatório GLOBAL RISKS 2012

A vulnerabilidade do mundo a novos riscos de choques econômicos e turbulência social está enfraquecendo o progresso gerado pela globalização. É o que mostra o Global Risks 2012, relatório da Marsh & McLennan Companies, produzido em parceria com a Swiss Re, Wharton Center for Risk Management e Zurich. O Global Risks 2012, apresentado ontem em Londres, será debatido no próximo Fórum Econômico Mundial, que acontece em Davos, de 25 a 29 de janeiro.
De acordo com o  Global Risks 2012, desequilíbrios fiscais crônicos e crescente disparidade de renda são os riscos de maior probabilidade de ocorrência nos próximos 10 anos. Tais fatores conjugados também ameaçam o crescimento global e favorecem o nacionalismo, o populismo e o protecionismo, enquanto o mundo continua vulnerável a uma crise financeira sistêmica e à escassez de água e alimentos.  Este cenário resulta de uma pesquisa que detectou a opinião de 469 especialistas e líderes setoriais. Em comparação com um ano atrás, o foco das preocupações se deslocou dos riscos ambientais para os riscos socioeconômicos.
O relatório analisa três grandes e preocupantes áreas de riscos. O primeiro deles é a crescente população de jovens com poucas perspectivas, crescente número de aposentados dependentes de Estados presos ao fardo da dívida (alimentando, por sua vez, desequilíbrios fiscais) e o abismo cada vez maior entre ricos e pobres são fatores que geram indignação. Juntas, essas tendências arriscam desfazer o progresso promovido pela globalização.
Segundo John Drzik, diretor geral do Oliver Wyman Group (Marsh & McLennan Companies), os indivíduos são cada vez mais levados a arcar com riscos que, anteriormente, eram assumidos por governos e empresas para obter uma aposentadoria segura e acesso a serviços de saúde de qualidade. “Este relatório é um alerta para que os setores público e privado encontrem maneiras construtivas de reajustar as expectativas de uma comunidade global cada vez mais ansiosa”,  afirma o executivo.
Outros riscos evidentes são as políticas públicas. As normas e as instituições do Século XX não asseguram mais a proteção necessária diante de um mundo mais  complexo e interdependente. As salvaguardas atuais são vulneráveis  aos riscos relacionados às tecnologias emergentes, interdependência financeira, esgotamento de recursos naturais e mudanças climáticas. “Já vimos exemplos de regulamentação excessiva, como na reação às erupções vulcânicas na Islândia, ou regulamentação deficiente, como na crise do subprime ou na crise da zona do euro. Precisamos restabelecer o equilíbrio com regulamentações adequadas e, para tal, nossas salvaguardas têm de ser baseadas na ação proativa em vez de reativa. É igualmente importante que as regulamentações sejam mais flexíveis para responder com eficácia às mudanças”, diz David Cole, diretor de Riscos da Swiss Re.
Segundo o relatório, as “vidas” cotidianas são quase totalmente dependentes de sistemas on-line conectados, tornando-nos suscetíveis a indivíduos mal intencionados, instituições e nações que detêm a  capacidade de desencadear ataques cibernéticos devastadores, de maneira anônima e à distância. “A Primavera Árabe demonstrou o poder dos serviços de comunicação interconectados na construção das liberdades individuais, mas a mesma tecnologia facilitou os tumultos de Londres. Governos, sociedades e empresas precisam compreender melhor a interconectividade dos riscos nas tecnologias da atualidade a fim de podermos aproveitar, de forma legítima, os benefícios que elas oferecem”, explica o diretor de riscos de seguros gerais da Zurich, Steve Wilson.
Além disso, as calamidades naturais nos lembram do poder devastador da natureza e dos limites da tecnologia, conforme demonstrado pelo Grande Terremoto do Leste do Japão no ano passado e pela subsequente tragédia na usina nuclear de Fukushima. Em um capítulo especial sobre as principais lições a serem extraídas da calamidade, o relatório salienta que as organizações estarão mais bem preparadas para lidar com grandes choques se tiverem claras linhas de comunicação e se os seus funcionários, em todos os setores, atuarem com maior autonomia para a tomada de decisões.
O relatório descreve 50 riscos globais, agrupando-os nas categorias de riscos econômicos, ambientais, sociais, geopolíticos e tecnológicos. Em cada categoria, é selecionado o risco sistêmico mais significativo. O relatório destaca novas preocupações que demandam mais pesquisas em decorrência das suas consequências desconhecidas. Estas preocupações, denominadas "Fatores X", incluem entre outros a ocorrência de invernos vulcânicos, o neotribalismo cibernético e a epigenética.
De acordo com Howard Kunreuther, professor da James G. Dinan e de Teoria da Decisão e Políticas Públicas da Wharton School, Universidade da Pensilvânia, EUA, o relatório mostra que a governança global está estreitamente entrelaçada com todos os demais riscos globais. O relatório propõe que sejam repensadas as responsabilidades públicas e privadas para fomentar maior confiança. Esta é a base essencial para um diálogo sobre os impactos adversos do pensamento míope e sobre a importância de se desenvolver estratégias de longo prazo que sejam factíveis e bem recebidas.
Cada uma das três áreas de riscos será foco de sessões especiais durante a Reunião Anual de 2012 do Fórum Econômico Mundial, que acontecerá em Davos-Klosters, Suíça, de 25 a 29 de janeiro.

Pergunto: De que forma a ISO 31000 pode ajudar no gerenciamento dos riscos apontados no Global Risks 2012 ?
Venha discutir o relatório no nosso grupo:  http://linkd.in/SucessoSustentado !