ISO 31000: A Nova Era da Gestão de Riscos!

13 de agosto de 2010

O risco do petróleo

Trecho do editorial de hoje do jornal O Estado de São Paulo:

Alguns anos serão necessários para que possam ser medidos com precisão os prejuízos com o vazamento de cerca de 5 milhões de barris de petróleo, causado pelo afundamento da plataforma Deepwater Horizon, operada pela BP no Golfo do México. Noticia-se agora que ele foi estancado, mas os efeitos econômicos globais daquele que é considerado o maior desastre ambiental da história dos EUA ainda se fazem sentir. Como era previsível, os prêmios de seguros para exploração de petróleo offshore estão em ascensão, estimando-se que podem aumentar até 50%, e os investidores no setor petrolífero estão inquietos.

Nessa fase, as grandes seguradoras vêm procedendo a uma reavaliação de riscos, evitando fechar ou renovar contratos com operadoras de sondas e plataformas de petróleo. Isso afeta também empresas que operam na costa brasileira. Pela praxe, as apólices vinham sendo renovadas por um ano, mas agora os prazos são mais curtos.

A questão não se resume a preços, mas abrange também a adoção de planos adequados de prevenção de acidentes, hoje considerados indispensáveis para a contratação de apólices ambientais. Uma das críticas que se fazem à BP é de que não tinha um plano de ação para emergências ou seguro de responsabilidade social ou civil. Tanto assim que a empresa teve que assumir o compromisso de pagar indenizações no total de US$ 20 bilhões para cobrir danos ambientais e prejuízos causados a indivíduos ou empresas pelo vazamento. Isso não eximiu as seguradoras de vultosas perdas, estimadas entre US$ 3 bilhões e US$ 5 bilhões.

Além disso, em razão de pressões partidas não só de grupos ambientalistas, mas da população em geral, a legislação dos EUA para exploração de petróleo em alto-mar está em processo de alteração, havendo um projeto com esse objetivo em tramitação no Congresso. Como as normas deverão requerer mais controle, os prêmios de seguros devem ser ajustados. De fato, é possível que a alta dos custos dos seguros absorva os ganhos obtidos com a queda de 20% no preço de plataformas no mercado internacional em seguida ao acidente do Golfo do México.

Meu comentário: esse assunto tem tudo a ver com o que estamos tratando aqui!...