ISO 31000: A Nova Era da Gestão de Riscos!

3 de abril de 2012

A "Consciência Situacional" na Gestão de Crises

O conceito de consciência situacional surgiu de estudos realizados sobre o comportamento das pessoas cuja eficácia depende da sua capacidade de observar o seu ambiente, de se orientar em relação às rápidas mudanças do mesmo, de tomar decisões rápidas (especialmente em relação a ameaças e oportunidades) e de agir, em um ciclo contínuo e de ritmo acelerado, onde as margens de vantagem competitiva podem ser muito pequenas.

Implicitamente, consciência situacional significa mais do que saber o que está acontecendo; também significa ser capaz de modelar as implicações do que está (e não está) acontecendo e projetar os eventos atuais para estabelecer o que pode acontecer. Em um contexto organizacional, isso implica na necessidade de coletar entradas de todos os departamentos, de modo que cada um possa adicionar a sua entrada em nuances particulares para uma avaliação global equilibrada.

Esse nível de detalhamento é dado para explicar que o estabelecimento da consciência situacional é um processo deliberado, ativo e disciplinado que requer prática. A busca por informações deve ser ativa e os canais precisam ser monitorados.

Ferramentas podem ser utilizadas para ajudar as pessoas a fazerem isso de forma mais eficaz. Dentre as muitas que são de uso geral, duas ferramentas simples e complementares serão apresentadas em breve aqui no Blog.

Tem seu mérito adotar e defender conscientemente ferramentas específicas, em vez de deixar a criação da consciência situacional ao acaso e à idiossincrasia. Elas dão às pessoas que trabalham sob condições extremas de pressão uma estrutura de sustentação, o que milita contra estarem sobrecarregadas de informações ou em relação à magnitude da tarefa. Também ajudam a dar consistência e unidade de abordagem a uma equipe.

Os responsáveis pela tomada de decisão também podem ganhar confiança ao saber que uma técnica consistente foi aplicada na interpretação das informações que eles devem usar para apoiar e embasar suas decisões.